Trabalhamos com criatividade e disciplina, com foco e abrangência para mapear as melhores oportunidades de investimento e antecipar tendências.

Dividimos com você, aqui, um pouco da forma Verde Asset Management de pensar.

Stuhlberger: 2015 vai ser o ano de Jó

Trecho da entrevista de Luis Stuhlberger para o jornal Valor Econômico
Foto: Silvia Costanti / Valor
Foto: Silvia Costanti/Valor

Uma das histórias mais conhecidas da Bíblia conta a saga de Jó, um homem de quem Deus tirou todos os bens, a família e a saúde para testar sua fé. É a essa imagem que recorre Luis Stuhlberger, gestor do mais conhecido multimercado brasileiro, o fundo Verde, para ilustrar as provações pelas quais o investidor vai passar neste ano. “2015 vai ser o ano de Jó”, afirmou em entrevista exclusiva ao Valor, a primeira no controle da Verde Asset Management, nova gestora que nasce com R$ 30 bilhões sob gestão e o Credit Suisse como sócio minoritário. “Você tem Deus conspirando contra o Brasil: não dá água, não tem energia, os preços das commodities estão caindo, o governo aperta em 2% do PIB…”, afirma, antes de emendar a ironia: “mas vamos estar mega otimistas, porque 2016 vai ser melhor”.

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

Tags: , , ,

 

Verde Asset nasce com plano de ter filial londrina

Trecho da entrevista de Luis Stuhlberger para o jornal Valor Econômico

O olhar global é uma vocação que Luis Stuhlberger quer fomentar na gestora que nasceu oficialmente neste mês sob seu controle, a Verde Asset Management. Está nos planos da nova casa abrir uma filial fora do Brasil, um projeto para 2016 ou 2017. A preferência é por Londres. “De lá dá para cobrir Europa, Ásia e Estados Unidos de um lugar neutro”, afirma. A intenção é montar uma estrutura pequena, com quatro ou cinco analistas, dedicados a selecionar empresas globais para os portfólios.

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

Tags: , , ,

 

A meta de primário do novo ministro é crível?

por Daniel Leichsenring

À primeira vista, a meta de esforço fiscal foi escolhida a dedo. O número de 1,2% do PIB é baixo o suficiente para parecer crível e alto o suficiente para ser uma sinalização positiva. O mesmo pode ser dito da meta de “não menos do que 2% do PIB de 2016 em diante”.

O desafio, entretanto, é transformar um déficit primário recorrente de 0,6% do PIB num superávit de 1,2% ao longo de um ano sendo que, no mínimo, já se perderam 3 meses de arrecadação de algum aumento de imposto/contribuição – dado que estamos em janeiro e todo aumento de alíquota tem noventena até ser de fato implementado.

A tabela abaixo traz dos ajustes fiscais feitos no país desde 1998 o que se deveu à receita e o que se deveu a corte gastos, pelo Governo Federal. O maior ajuste primário de um ano para o outro foi de 1,1% do PIB de 1998 para 1999, com -0,5% do PIB de despesa e 0,6% de receita. Mas há um fator crucial: a inflação passou de 1,65% em 1998 para 8,94% em 1999 (a variação do PIB nominal foi de praticamente 4% para 9%). A aceleração da inflação foi forte, o que fez com que a corrosão real dos gastos tivesse sido importante. Sem isso, o controle de gastos não teria sido possível da maneira como foi. O mesmo vale para o que se viu em 2002/2003, quando a inflação foi buscar 17% no acumulado de 12 meses em maio/2003, para encerrar o ano em 9,3%.

Variação da Receita, Despesa e Primário (% do PIB)
1998/1999 2002/2003 2006/2007 2010/2011*
Receita Líquida 0,6% -0,4% 0,3% 0,9%
Despesa -0,5% -0,6% 0,2% 0,0%
Variação do Primário 1,1% 0,2% 0,1% 1,0%

* sem capitalização da Petrobrás

Fonte: STN, Verde Asset

Digamos que o primário tenha terminado em -0,2% do PIB em 2014. Precisaríamos de 1,4% de ajuste em 2015 (já tendo perdido mais de 2 meses de elevação de arrecadação), com o salário mínimo subindo 2,5% em termos reais (9% nominal). Convém ressaltar que o resultado de 2014 tirando as manobras fiscais teria sido algo mais próximo a um déficit de 0.6% ou 0.7% do PIB, de maneira que o esforço fiscal efetivo para 2015 teria de ser da ordem de 2% do PIB.

Nos ajustes retratados na tabela, a duração foi de 1 ano (no ano seguinte, várias das medidas de controle de gastos foram relaxadas). E o que está sendo prometido hoje é basicamente replicar em 2016 o que se espera para 2015.

Por fim – mas não menos importante – mesmo assim, o primário ficará abaixo daquele que estabiliza a dívida (!), que hoje está oscilando entre 2,5% e 3% do PIB, mais para perto de 3% dependendo das demais hipóteses. Ou seja, mesmo assim, a dívida pública continuará crescendo em percentual do PIB (ainda que a taxas decrescentes se esse esforço primário for efetivamente implementado).

No fundo, o importante é a evolução do PIB nominal (deflator mais crescimento real). Porque o governo é sócio da inflação, a arrecadação sobe com o deflator e o gasto cai em termos reais se a inflação surpreender.

Ou seja, o resumo da ópera é: a meta foi muito bem pensada. Para entregá-la, será necessário colher o pão que o diabo amassou. Para resolver mais rápido, a inflação tem de ser bem mais alta no começo, o que parece ser politicamente sensível. Cortando gastos, dado que o aumento do salário mínimo já garante crescimento forte da política de transferência de renda, conseguiremos ficar mais ou menos onde estamos, em um déficit primário de uns 0,2% do PIB. A decisão de qual nível de resultado primário nós vamos chegar depende, portanto, de qual o apetite pelo aumento da carga tributária. Dá para entregar 1,2% de primário em 2015? Sim, mas o governo vai precisar abrir o saco de maldades tributárias. E isso te leva à metade do primário necessário para estabilizar a dívida pública em percentual do PIB.

Tags: , , ,

 

Este conteúdo foi preparado pela Verde Asset Management S.A., bem como suas sociedades afiliadas (conjuntamente “Verde”), tem caráter meramente informativo e não deve ser entendido como análise de valor mobiliário, material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro ou investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégia de investimento por parte dos destinatários. As informações referem-se às datas e condições mencionadas e não serão atualizadas. Os cenários apresentados podem não se refletir nas estratégias dos diversos fundos e carteiras geridos pela Verde. Aos investidores é recomendada a leitura cuidadosa de lâminas, prospectos e/ ou regulamentos ao aplicar seus recursos. A Verde não se responsabiliza por erros, omissões ou pelo uso destas informações. Este material foi preparado com base em informações públicas, dados desenvolvidos internamente e outras fontes externas. A Verde não garante a veracidade e integridade das informações e dados ou que os mesmos estão livres de erros ou omissões. Recomendamos uma consulta às fontes mencionadas para maiores informações. As análises aqui apresentadas não pretendem conter todas as informações relevantes que um investidor deve considerar e, dessa forma, representam apenas uma visão limitada do mercado. As estimativas, conclusões, opiniões, sugestões de alocação, projeções e hipóteses apresentadas não constituem garantia ou promessa de rentabilidade e resultado ou de isenção de risco pela Verde. Ao investidor cabe a responsabilidade de informar-se sobre eventuais riscos previamente à tomada de decisão sobre investimentos. Este conteúdo não deve substituir o julgamento independente dos investidores. A Verde não se responsabiliza por danos oriundos de erros, omissões ou alterações nos fatores de mercado nem pelo uso das informações aqui contidas. Este conteúdo não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem a prévia e expressa concordância da Verde.