Trabalhamos com criatividade e disciplina, com foco e abrangência para mapear as melhores oportunidades de investimento e antecipar tendências.

Dividimos com você, aqui, um pouco da forma Verde Asset Management de pensar.

O primeiro passo para acelerar a vacinação? Mudar os critérios

Por Daniel Leichsenring

A inaceitável lentidão no processo de vacinação brasileiro tem cobrado seu preço, tanto em vidas quanto na velocidade da retomada econômica. A reduzida oferta de vacinas e o atraso na sua contratação já são fatos conhecidos, e não se trata de litigá-los aqui. Mas mesmo considerando-se a pouca disponibilidade de doses que temos hoje, o País poderia estar fazendo um trabalho muito mais eficaz na sistemática adotada para a aplicação das doses.

Todos gostaríamos que houvesse muito mais vacinas, mas atribuir a lentidão atual à falta de oferta é uma desculpa que não condiz com a realidade. A velocidade da vacinação precisa aumentar rapidamente — e para isso julgamos que os critérios das fases devem ser ajustados.

No gráfico abaixo, é possível observar a quantidade de doses disponibilizadas aos Estados e as doses aplicadas, acumuladas ao longo do tempo. As barras pretas mostram as entregas ao longo dos dias. O gráfico mostra que até maio as entregas eram esparsas e menos previsíveis, e ao longo do último mês se tornaram mais frequentes, regulares e maiores. Com efeito, a linha azul, acumulado de doses distribuídas, está subindo e se distanciando da linha verde, de doses aplicadas.

Fonte: MS, Verde AM

A distância entre a linha azul e a verde são as doses disponibilizadas aos Estados e não aplicadas: é o estoque de doses, retratado no gráfico abaixo. A linha cinza traz o estoque dia a dia, que varia de acordo com as entregas e as aplicações. Do ponto de vista de política pública de saúde, o gestor encarregado de fazer uma programação para as próximas semanas de vacinação deveria usar alguma métrica mais certa; por isso, apresentamos também a média de duas semanas, que dá uma ideia melhor de quão confiável é a disponibilidade de vacinas.

A conclusão é a seguinte: nunca tivemos uma situação tão favorável do ponto de vista da disponibilidade de vacinas (o que não significa que é boa, mas é melhor do que jamais foi). Os estoques seguem subindo.

Fonte: Verde AM

Abaixo, o gráfico mais importante: ele mostra a velocidade de vacinação diária (pela média de 7 dias, em milhar, na escala da direita) e o estoque de vacinas (na escala da esquerda, a mesma média de 14 dias do gráfico acima). Claramente, até o fim de abril, o que limitava muito a velocidade de vacinação era a baixa disponibilidade de doses, com a composição muito concentrada na Coronavac, que precisa de uma 2ª dose num curto intervalo de tempo. Ainda assim, na última semana de abril chegamos a ter mais de 1 milhão/dia (na média de 7 dias).

Fonte: MS, Verde AM

O que temos visto em maio é profundamente desanimador. A disponibilidade de doses praticamente dobrou, mas mesmo com menos risco e mais espaçamento entre a 1ª e a 2ª doses (12 semanas para AstraZeneca e Pfizer), o ritmo de vacinação caiu para cerca de 700 mil doses/dia. Isto representa uma queda de 32% do pico. A disponibilidade atual de vacinas seria suficiente para dobrar o ritmo atual de vacinação diária. Ter disponibilidade de vacinas e não aplicar é simplesmente inaceitável.

O que pode ter ocorrido para essa desaceleração? Pelo que temos observado, praticamente não há filas em um grande número de postos de vacinação nas captais. Ontem, havia vários postos em SP com oferta de Pfizer sem qualquer fila. Isso apenas reforça o argumento de que os critérios para a vacinação estão atrasando muito o ritmo, e precisam mudar urgentemente.

A principal mudança ocorrida de abril para maio foi a interrupção do processo de vacinação por idade para a vacinação por grupos com comorbidade. Entendemos que a vacinação por comorbidade é muito falha, precisa ser ajustada, e deve-se voltar a vacinar pelo critério da idade o mais rápido possível, mesmo que mantendo os portadores de comorbidade como prioritários.

As dificuldades da vacinação por comorbidade são várias: não se sabe exatamente o número de pessoas, e é provável que haja grande superestimação, haja vista que várias pessoas têm mais que uma comorbidade. Mesmo havendo a comorbidade, não necessariamente sua comprovação é fácil ou disponível, e a exigência de documentação pode evitar que pessoas procurem a vacinação. Por fim, pode ser que este grupo tenha menos aceitação à vacina do que os demais. Todos esses fatores são reais e tornam muito difíceis a vacinação apenas por comorbidade. Pior: ainda abrem espaço para fraudes (a famosa “indústria de atestados médicos falsos”), que invertem toda a ordem da vacinação.

Há outras potenciais explicações para a queda do ritmo de vacinação: possivelmente os gestores estão segurando mais vacinas para a 2ª dose (com algum receio de não haver oferta no futuro), pode haver certo estigma ou preconceito com algum tipo específico de vacina (o que não parece tanto o caso, dados os postos vazios em SP, mesmo com a Pfizer). Neste caso, se há grupos de pessoas que não querem tomar as vacinas disponíveis, deve-se expandir o grupo prioritário de maneira que a escala de vacinação seja preenchida.

De todo modo, qualquer uma dessas explicações para a queda do ritmo nos parece inaceitável, e há uma maneira simples e fácil de acelerar novamente: voltar a adotar o critério incontroverso de idade — o mais simples e de fácil comprovação — e acelerar a permissão para que outros grupos prioritários possam se vacinar.

Alguns governos dizem que o calendário precisa ser conservador, dada a baixa previsibilidade da chegada de insumos. Acontece que ser conservador, neste caso, deveria ser sinônimo de adotar práticas menos arriscadas com a vida das pessoas. Em outras palavras: adotar uma estratégia inversa à que tem sido feita e acelerar o cronograma.

Pode até ser que isso gere filas nos postos num volume por vezes maior que a capacidade do sistema de atender, o que certamente levará frustração àqueles que eventualmente não forem atendidos rapidamente. Mas é muito mais conservador com a vida das pessoas do que deixar doses paradas em alguma geladeira, porque talvez alguma pessoa com capacidade de comprovar sua comorbidade venha a se apresentar (e encontrar postos vazios).

Já passou da hora de todas as instâncias envolvidas coordenarem seus esforços e reverem uma sistemática que claramente não está funcionando.

Para baixar o conteúdo em PDF, clique aqui.

Para ler o artigo no Brazil Journal, clique aqui.

Tags: , , , ,


< Voltar


Este conteúdo foi preparado pela Verde Asset Management S.A., bem como suas sociedades afiliadas (conjuntamente “Verde”), tem caráter meramente informativo e não deve ser entendido como análise de valor mobiliário, material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro ou investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégia de investimento por parte dos destinatários. As informações referem-se às datas e condições mencionadas e não serão atualizadas. Os cenários apresentados podem não se refletir nas estratégias dos diversos fundos e carteiras geridos pela Verde. Aos investidores é recomendada a leitura cuidadosa de lâminas, prospectos e/ ou regulamentos ao aplicar seus recursos. A Verde não se responsabiliza por erros, omissões ou pelo uso destas informações. Este material foi preparado com base em informações públicas, dados desenvolvidos internamente e outras fontes externas. A Verde não garante a veracidade e integridade das informações e dados ou que os mesmos estão livres de erros ou omissões. Recomendamos uma consulta às fontes mencionadas para maiores informações. As análises aqui apresentadas não pretendem conter todas as informações relevantes que um investidor deve considerar e, dessa forma, representam apenas uma visão limitada do mercado. As estimativas, conclusões, opiniões, sugestões de alocação, projeções e hipóteses apresentadas não constituem garantia ou promessa de rentabilidade e resultado ou de isenção de risco pela Verde. Ao investidor cabe a responsabilidade de informar-se sobre eventuais riscos previamente à tomada de decisão sobre investimentos. Este conteúdo não deve substituir o julgamento independente dos investidores. A Verde não se responsabiliza por danos oriundos de erros, omissões ou alterações nos fatores de mercado nem pelo uso das informações aqui contidas. Este conteúdo não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem a prévia e expressa concordância da Verde.